Acolhimento a viúvas e viúvos: seg. a sexta das 08h às 12h
Rua Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP

Depoimento Michelle Maciel

Morávamos juntos há 14 anos e sendo 7 anos casados oficialmente.

Quando conheci meu esposo, eu tinha acabado de sair de um relacionamento frustrante, onde era agredida constantemente e desse relacionamento tive a Laura.

Quando conheci o Rogério, ela tinha 9 meses, foi ele quem sempre a criou, deu amor verdadeiro, desde então começamos a nos conhecer. Em 4 meses que estávamos juntos descobri o amor puro e verdadeiro, como aquela história do príncipe no cavalo branco dos contos de fadas, essa história existiu sim e fez parte da minha vida.

Com quase 2 anos e meio juntos, fiquei grávida do nosso filho Matheus, que hoje está com 11 anos. Ele era um bebê lindo, amado, era nosso pedacinho, éramos então em quatro.

Ao passar dos anos quando o Matheus estava com 8 anos descobri uma gravidez de risco, com descolamento de placenta, eu estava à espera da nossa princesa Alice, que por sinal era um milagre de Deus em nossas vidas, ela é uma promessa de Deus em minha vida.

Éramos uma família normal, meu esposo era Metalúrgico e trabalhou nesta empresa por 10 anos e foi lá que acabou sofrendo um acidente de trabalho fatal, sim ele morreu assassinado brutalmente por uma máquina.

Os companheiros de turno tentaram socorrer levando-o para o hospital mais próximo do local do acidente. Eles por sinal, não tinham nenhum treinamento e no local não tinha nenhum técnico de segurança. Levaram ele em desespero achando que ainda havia vida, mas depois foi constatado que ele saiu da máquina já em óbito. Chegando ao hospital os paramédicos tentaram fazer algumas técnicas de reanimação, mas viram que ele entrou no hospital sem vida. Isso causou o desespero dos amigos do serviço. Isso tudo foi frustrante para eles e hoje muitos estão passando por psiquiatra, pois a maneira que meu esposo faleceu foi trágica.

Pois então, foram em casa, e me chamaram, eu abri a janela do quarto assustada e o chefe dele disse:  “Michelle precisamos falar com você!”  e  eu desesperada perguntei cadê meu Rogério? Ele morreu?

O chefe dele assustado com minha afirmação disse “Não! quem te disse isso? Ele sofreu uma intoxicação alimentar e precisamos que você vá até PS, pois sabemos que ele é alérgico.” Foi apenas um modo pra que eu fosse conduzida ao PS. Chegando lá pro meu desespero muitos companheiros já estavam no local, me apavorei e disse: “Misericórdia, que intoxicação foi essa meu Deus?” E eles todos em silêncio.

Depois fui conduzida a uma sala onde já estavam vários líderes e amigos dele do trabalho, foi então que o médico entrou naquela sala e disse: “Vamos ver ele, você precisa ver seu esposo.” E um dos líderes disse: “Não, não ela não sabe!”. Então todos começaram a chorar e o médico abaixou a cabeça dizendo: “Seu esposo entrou no PS em óbito”. Por alguns minutos eu demorei a entender o que é óbito, não caiu a ficha, então o médico respondeu: “Ele está morto!”.

Daí em diante, minha vida, minha metade foi junto com meu esposo, éramos uma só carne, ele tinha apenas 33 anos. Ainda um menino e já ganhou a eternidade.

 Ainda não entendo, juro que tento, mas não entendo! Nunca questionei Deus, nunca! Tenho mil perguntas de dia, de noite, a madrugada me atormenta, como isso estava acontecendo comigo? Com meus filhos? O que será de nós? Quem vai cuidar deles? Meu Deus, e eu? Era ele que cuidava e amava com todo seu amor, quem vai me ajudar e me apoiar, como será? Quem vai cuidar de mim? Pois ele era minha família, não tenho família, minha família era ele e meus filhos e ponto.

Senhor! Socorro! Misericórdia!

Esse mês dia 28/01/19 completa 01 ano de seu falecimento, senhor quanta tristeza. Meus filhos doentes, minha Alice de 3 anos e 4 meses regrediu, não fala, está sendo assistida por fonoaudióloga, o Matheus vive quieto, me ajuda o máximo que pode, graças a Deus, e a Laura atualmente está com a avó.

 Hoje sobrevivemos! Eu perdi totalmente minha vaidade, nunca mais serei a mesma, estou depressiva, lutando por mim e pelas crianças que precisam muito do meu amor, minha atenção e carinho 24 horas por dia. Sigo nessa luta constante comigo mesma tentando entender, mas ainda sem esclarecimento, vivo e revivo aquela madrugada, aquele dia. Peço a misericórdia de Deus pra ter saúde, discernimento pra seguir, mas a saudade dói, devasta de uma forma que só o tempo pra acalentar tanto sofrimento. Saudades do meu eterno amor.

Etiquetas: , ,

  • R. Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP
  • (19) 99304-2682 ou (19) 3368-4710
  • contato@acolhecomamor.com.br
  • Devido a pandemia não temos atendimento presencial, somente on-line