Acolhimento a viúvas e viúvos: seg. a sexta das 08h às 12h
Rua Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP

Depoimento Katia

Espero poder aliviar um pouco do sofrimento que tantas pessoas passam e não ficamos sabendo… tudo vai passar, tenham fé nisso!!

Meu nome é Kátia,

Me casei em abril de 1986, e fomos morar em Curitiba.

Resolvemos esperar um tempo para eu engravidar…

O tempo foi passando, passando…

E ele perguntava:

-E aí, nada?

-Plantei uma azeitoninha?

Eu ria muito com isso.

Ele tinha uma pressa, parecia, para eu engravidar logo.

Bem, o tempo foi passando, passando…

Foi quando com 1 ano e 8 meses de casados, veio a confirmação da melhor coisa que poderia acontecer com a minha vida:

ESTAVA GRÁVIDA!!!

Plena, feliz, completa, quanta felicidade!!!

Tudo era motivo de alegria, transbordávamos amor!!!

Aí então que em janeiro de 1988, eu estava com 2 meses de gravidez, que veio a pior notícia que eu poderia ter, naquele momento.

Meu marido veio almoçar em casa e depois voltou para o trabalho.

Tínhamos um posto de gasolina que ficava 4 quadras de nossa casa.

Ele tinha uma moto, acidentou bem pertinho de casa, o que sei é que não tinham carros envolvidos, ele caiu sozinho, e já ficou em coma.

Recebi a notícia de nosso sócio, que tínhamos na época.

Ele foi de uma sensibilidade imensa, só que não me falou tudo, foi me preparando, devagar, com medo enorme para que eu não perdesse o bebê.

Fui para o hospital, sem noção de nada, da gravidade que ele realmente estava…

Só fui saber de tudo quando cheguei lá.

Ele ia ser operado, teve poli traumatismo craniano.

Quando passou do meu lado, eu estava na porta do centro cirúrgico, depois da operação, ele já estava irreconhecível, todo machucado.

Aguentei ali sozinha, pois minha família era de Americana e a dele de São Paulo.

Foram chegando aos poucos, para me dar apoio e amparo.

Foi uma semana de muita tristeza, de muitas lágrimas, de muito desespero, pois ele não voltava do coma e a situação dele ia piorando cada vez mais.

Mas também foi uma semana preparatória para eu entender que ele estava indo embora….

Nossa fui tão abençoada, tive apoio de familiares, de amigos, de vizinhos e de todo tipo de ajuda religiosa que vocês possam imaginar!!!

Ele foi piorando, dia após dia, com broncopneumonia também.

Todos os dias eu entrava na UTI para vê-lo, falava tanto com ele, explicava tudo que estava acontecendo, mas ele não esboçava nenhuma reação.

Teve um dia que resolvi colocar a mão dele na minha barriga, foi quando percebi que seu rosto serenou, fiquei feliz com essa expressão.

Pioras, pioras…

Um dia minha cunhada me chamou, entramos no quarto e ela me disse:

-Minha querida, se ele sobreviver, vai ficar em estado vegetativo, ele vai ter muitas sequelas irreversíveis.

Nossa, que desespero!!!

Mas, eu tinha tanta esperança, achava que de uma hora para outra ele abriria os olhos e ia me chamar.

Infelizmente isso não aconteceu!!

Depois de exatamente uma semana do acidente, veio a notícia de seu falecimento.

Só sei dizer que um buraco se abriu na minha frente…

E nossos planos? Tudo acabou!!

A dor é tanta, não é física, é na alma!

É arrebatadora!

Não tenho como descrever essa dor, parecia um sonho, queria acordar e não sabia como.

É surreal!!

Que judiação…

Ele tinha 33 anos, a paixão dele era ter uma filha.

São tantos sentimentos que se entrelaçam, a negação, a revolta, o desespero, a solidão, a falta insuportável daquela pessoa que você ama tanto.

Só Deus para nos dar força e coragem num momento como aquele!!!

Deus é maravilhoso, nos carrega no colo!!!

Nós só descobrimos a nossa força, a nossa fé, quando somos testadas.

E sentia Deus bem pertinho de mim, como sempre…

Minha família, a família de meu marido, meus amigos, foram cruciais nessa fase, tive tanto apoio, carinho e amor de todos à minha volta…

Mas, meus pais, nem tenho palavras, devo tudo a eles…me deram colo.

Tive uma gravidez tão perfeita, sem problema nenhum, a não ser a tristeza que me invadia o coração a todo momento.

Aquele ser tão pequenininho, à medida que foi crescendo dentro de mim, foi me dando a força que eu precisava tanto.

Como pode isso acontecer não é mesmo?

Essa sementinha no meu ventre já me dava anos luz de força e fé!!!

E foi crescendo e me fortalecendo, completando essa vivência.

Me ensinou mais que tudo!!!

E quando nasceu então, uma menina linda, que ele queria tanto, me deu mais uma chance de ser feliz!

Ela me deu tudo, me devolveu a vida.

Agradeço a Deus por ter me dado esse presente divino, pois Ele sabe que sem ele, minha vida não teria sentido algum…

A tristeza foi dando lugar a alegria, pois é por ela que sou feliz até hoje!!!

Com todo amor e respeito à todas as pessoas que passaram e passam pela dolorosa dor de perder um amor.

Cada um tem seu tempo, temos que respeitar e apoiar.

Sempre chame Deus ao seu lado, só Ele nos dá o que necessitamos.

Vai passar, um dia tudo vai passar…

Um grande abraço ❤

Kátia

Etiquetas: , ,

  • R. Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP
  • (19) 99304-2682 ou (19) 3368-4710
  • contato@acolhecomamor.com.br
  • Devido a pandemia não temos atendimento presencial, somente on-line