Acolhimento a viúvas e viúvos: seg. a sexta das 08h às 12h
Rua Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP

Depoimento Josiane

Meu nome é Josiane, tenho 31 anos, moro no interior de Minas Gerais e perdi meu esposo vítima de um infarto fulminante no dia 15/12/2019, aos 35 anos de idade.

Meu esposo era Personal Trainer, atleta, totalmente saudável, se foi fazendo uma das coisas que mais gostava – jogar bola.

Se foi de uma forma, inexplicável… Como um sopro, sem sofrimento…

Aquele domingo (15/12/2019), era para ser um domingo como outro qualquer. Ele acordou cantando, dançando, feliz. Tomamos nosso café, se arrumou e foi trabalhar.

Estava em êxtase, com a BOOM, com o Futmesa e com o jogo da tarde. 

Passamos a manhã toda juntos (mesmo que fosse ele apitando o jogo e eu de fotógrafa), almoçamos, rimos, brincamos e seguimos para o jogo.

O deixei no campo feliz, alegre, ansioso e lindo, como sempre fazia, quando não ia aos jogos. Nos despedimos, e eu mal imaginava que não o veria mais…

Aí veio aquela notícia horrível, que ele estaria passando mal.

Foi aquela correria, aquele aperto no peito entre Posto Médico e Hospital. Recebi várias ligações, várias mensagens, muitas pessoas foram até o hospital em busca de notícias, até que sou chamada a receber a pior notícia da minha vida.

Só me lembro de a Dra. Patrícia falar algumas coisas, e dizer a terrível palavra que eu mais temia…

– Mas infelizmente…

Meu coração rasgou de dor e de saudades, um sentimento inexplicável. Meu mundo virou de ponta cabeça, perdi meu chão, pensei em desistir de tudo, pensei que não daria conta, foi um turbilhão de pensamentos e sentimentos. Voltei para a casa dos meus pais e chegando lá o sofrimento era visível, a casa estava cheia de amigos e familiares, a emoção tomou conta de todos. Até que chegou o momento de voltar à nossa casa para pegar roupas, documentos e tentar resolver as burocracias, e mais uma vez tive o apoio de muitos amigos e familiares.

Até então ainda havia uma esperança de que tudo fosse mentira, até que a noite passou (custou, mais passou) e chegou a hora de enfrentar a realidade com aquela garra que ele sempre demonstrou em tudo que fizesse.

Cheguei ao velório e foi aí que a ficha caiu, realmente era o momento de despedida…

Mais uma vez a saudade tomou conta do meu coração. O ver ali me doeu demais, sempre tão lindo, tão “elétrico” e sempre com um sorriso no rosto. Durante todo aquele dia, recebi (e ainda recebo) várias demonstrações de carinho e amizade, de pessoas que não conhecia, pessoas que conhecia e de quem nem imaginava que conhecia, de pessoas que foram se despedir, de pessoas que não conseguiram vir, mas fizeram questão de prestar a última homenagem, mesmo que em rede social.

Hoje, quase 7 meses após a sua partida, meu coração ainda sangra, coisas consideradas normais, ainda não fazem muito sentido, sem ele comigo. Aos poucos a dor vai diminuindo e se transforma em saudade.

Lembro de tudo que vivemos nesses 16 anos juntos, sorrio, choro, sorrio novamente. Sei ele cumpriu sua missão aqui na terra, e muito bem…

Nos só estamos nesse mundo de passagem. Sou muito grata a Deus, por ter me emprestado seu anjo mais lindo, por 16 anos. Não estamos aqui para questionar e nem entender nada, somente aceitar, por mais difícil que seja, temos que aceitar que Deus nos dá a vida para ser vivida, e bem vivida, e o Ulisses , viveu intensamente… Ohhh e como viveu… E mais uma vez digo que sou grata por ter feito parte da sua vida e ele da minha.

Fica aqui meu agradecimento e minha gratidão…

Etiquetas:

  • R. Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP
  • (19) 99304-2682 ou (19) 3368-4710
  • contato@acolhecomamor.com.br
  • Horário Funcionamento: segunda, quarta e sexta das 08h às 12h.