Acolhimento a viúvas e viúvos: seg. a sexta das 08h às 12h
Rua Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP

Depoimento Andréia

Minha história começa assim… após 9 anos de casada, um filho lindo de 4 anos e 7 meses e grávida do segundo filho, no dia em que completei 20 semanas de gravidez, recebi a pior notícia de minha vida, meu amado esposo sofreu um grave acidente de moto e em uma fração de segundos aquele lindo sábado ensolarado, tornou-se um dia escuro, triste, dolorido e eu sabia que meu grande amor não estava mais aqui, vivo entre nós. Não demorou muito pra receber a confirmação… então veio um momento ainda mais difícil, que foi dar ao meu filho a notícia que o papai, aquele cara incrível que estava sempre ao lado dele, nunca mais voltaria.

A partir de então começo a receber presentes que Deus colocou em minha vida, primeiro foi a sabedoria do meu pequeno, que na maturidade dos seus quatro anos e sete meses me mostrou que ficaria tudo bem e me deu forças. Minha família, meus pais, minha irmã e meu cunhado que deixaram de viver a própria vida, pra me ajudar a viver a minha com meus meninos, minha terapeuta querida e os amigos especiais, que não vou citar nomes pra não ser injusta e de repente me esquecer de alguém… mas todos eles foram extremamente importantes para me reerguer  e reaprender a viver a nova vida que se apresentou a mim.

Nesse momento descobrir que se separar tão bruscamente de alguém que amamos tanto, dói, dói tanto que parece que temos no peito uma ferida aberta, que sangra muito a todo o tempo e esse sangrar se transforma em lágrimas, pois elas escorrem e escorrem muito e por bastante tempo, mas é possível reaprender a viver, na verdade em relação a morte hoje enxergo que temos duas alternativas:

Reaprender a viver e ter de volta o sorriso no rosto ou viver pelo resto da vida se lamentando.

A morte é a única coisa que temos definitiva, uma vez rompido o fio da vida, nada o faz colar, voltar… e olhem se tivesse como voltar eu teria feito, teria atravessado um oceano, caminhando quilômetros… faria qualquer coisa pra trazer ele de voltar e arrancar aquela dor que eu sentia… mas isso não adiantaria nada, pois nada pode mudar esse cenário.

Quando tive essa certeza, resolvi seguir em frente e ao invés de reclamar, resolvi agradecer a Deus, não por ele ter partido, mas por tudo de bom que ficou, pelos meus filhos, pela minha saúde, pela família, amigos, pelo meu trabalho…

A partir deste momento, comecei a ter a certeza de que nossa vida é esse fio e que pode ser rompido a qualquer momento, sem aviso prévio e o que vai ficar, são os momentos bons ou maus, que ficarão pra sempre na memória das pessoas… então me tornei uma pessoa melhor, valorizo intensamente cada momento que posso estar ao lado das pessoas que amo e procuro fazer uma reserva bem grande de coisas boas, pois quando chegar o momento da minha partida ou da deles, quero ter um estoque bem grande de coisas lindas pra guardar no coração.

Mesmo com tudo isso, tem muitos dias que essa ferida ainda sangra, ainda fazem as lágrimas rolarem, afinal saudades dói muito, mas logo tudo se acalma e a vida vai seguindo.

O que eu diria hoje pra alguém que esteja vivenciando essa mesma dor… Chore tudo que tiver vontade de chorar, mas se lembre que a sua vida continua, tem pessoas ao seu lado que te amam infinitamente e que sofrem com você. Se mantenha firme por você, por seus filhos, ocupe seu tempo, se mantenha positivo, procure ajuda profissional, converse com pessoas, não guarde pra você toda a dor e tenha a certeza que o tempo é um santo remédio e que assim como os momentos bons passam, os tristes também irão passar.

Com carinho, Andréia Baroni

Etiquetas: , ,

Comments (12)

  • Deia.
    Chorei ao relembrar aquele triste dia.. tantas são as dificuldades me Deus.. mas a certeza que somos seres imortais so me faz saber que a separação é temporaria. Muita saudades de vcs! Bc é uma grande guerreira e filha amada de Deus.. parabens pelo belo depoimento cheio de amor e esperanca..

  • Emociante!
    Tudo acontece pela permissão de Deus. É somente Ele que nos fortalece.
    Parabéns pelo lindo projeto.
    Conheço a sua historia através da sua irmã.

    Deus abençoe sempre.
    Grande abraço.
    Talita

  • JÚLIO CÉSAR CAMARGO BARBOSA

    Olá eu me chamo Júlio César eu moro em Hortolândia SP, eu ouvi hoje na rádio Cultura de Amparo o seu emocionante depoimento no qual eu me emocionei e muito com toda certeza eu peço permição a vc de conta a minha história a vc uma história de superação de minha vida.
    Em Março de 2013 precisamente no dia 25 de Março do memo ano nascia o nosso querido João Victor lindo como os demais irmãos que assim ele teve, ele era loirinho fofo de tudo assim como os irmãos dele tambem, foram meses de pura alegria satisfação em telo em nosso meio,em Outubro do mesmo ano nós eu e minha esposa Rogéria resolvemos leva – lo ao pediatra para faze os exames de rotina pois bem assim fora feito o exame e foi constado uma pequena infecção de urina mais fora controlada.
    Em Dezembro do mesmo ano eu começou a fica com uma aparência assustada e palida, fomos imediatamente para o PS de Hortolândia na época não existia a UPA, chegando lá médico estava em horário de almoço e não podia atende o meu filho que tinha na época 08 mêses de vida apenas, fora passando minutos horas até que nós não aguentando mais de tanta espera resolvemos entra e deparamos com uma médica eu não sei o certo a especialidade da mesma, ela olhou pro meu filho ela ficou espantada com o meu filho, e ela observou as pupilas já estavão delatadas e correrão com ele pra UTI, e nada puderão faze para salva o meu filho, nada quele dia eu fui apunhalado várias vezes fiquei sem chão eu chorava, chorava a minha esposa tambem nós abrasamos juntos e choramos ainda mais eu depois de restabelecido da emoção eu liguei pra casa para dar a pior das noticias que eu podeira da para a minha familia a morte do nosso João Victor se foi embra com 08 meses apenas até hoje eu sinto falta do meu filho como se fosse um pedaço de mim que se foi embora e não voltarás já mais eu resumi um pouco pra que não podece fica muito longa mais assim,a vida é cheia de surpresas ou seja chega uma hora que ela para nos da e começa nos tira alguma coisa que nós mais gostamos mais sempre com o aval de Deus e que sempre seja feita a vontade dele eu admiro muito a sua força e vontade que Deus possa cada vez mais ti fortalece ainda mais que mulher de vibra o mundo precisa te assim mulheres assim como vc meus parabens que Deus abençoe vc sempre aqui quem fala é o Júlio César de Hortolândia SP.

  • Meu marido acabou de falecer de Covid ele era médico intensivista se infectou trabalhando, tinha 55 anos, como tinha doença coronariana td se complicou e após quase 40 dias de CTI com várias complicações ele se foi, temos um filho de 18 anos e eu tenho 49 anos, só estou de pé por causa do meu filho, a vida perdeu o sentido, ele era td pra mim, amor, amigo, companheiro, não sei o que vai ser de mim, mas por hora tenho que tentar me manter firme pq meu filho está só começando a faculdade, ainda tem que se formar, virar homem, mas não tenho mais vontade de viver, espero que um dia essa dor diminua um pouco, pq agora me parece que tenho um vazia na boca do estômago.

    • Oi Jaqueline !
      Fazem 02 meses que eu perdi meu marido pra covid.
      Ele também era médico (ortopedista)
      Morreu com 56 anos , eu tenho 49 anos.
      Também temos 02 filhos , um já se formou e outro ainda está na faculdade.
      É a primeira pessoa que encontro com situação parecida com a minha.
      Como vc está sobrevivendo ?
      Eu estou sem rumo nenhum.

  • Olá, meu marido faleceu a 2 meses e eu, hj dia dos namorados penso que meu mundo acabou, que milha vida parou. Tenho uma filha de 4 anos e se ainda levanto da cama é por ela… mas como dói.

    Andreia seu depoimento me deu um pouco de esperança em conseguir viver ainda.

    O site é ótimo.

  • Meu esposo faleceu juntamente com sua irmã em um acidente de carro, uma tragédia. Tenho uma filha de 13 anos e outra de 1ano e 8 meses. Muita dor , 14 anos de casada, só Deus.

  • Elaine Rita de almeida e Silva

    Meu marido faleceu vai fazer um mês de Covid ele não acredita na doença não podia se expor pois era transplantado do rim e a imunidade dele era baixa e acabou sendo infectado assim como eu tbem fomos no médico 3 vezes e o médico dizia que era gripe forte até que ele piorou muito e foi internado na UTI no mesmo dia eu passei pelo médico e tbem tinha pego naquele dia que deixei ele na UTI a minha alegria acabou foram dias muito difíceis pois eu tbem estava contaminda fiquei bem ruim mas não precisei internar de tudo isso o que mais doia era que ninguém podia cuidar de mim e eu não podia ver ele temos uma filha de 15 anos e apesar dela estar junto não contraiu ela ficou o tempo todo comigo me ajudou muito e eu tinha um medo imenso de precisar internar e ela ficar sem ninguém ele ficou 30 dias internado eu falei com ele por telefone por 15 dias mas depois foi entubado e acabou falecendo e foi tudo muito difícil não poder ver o corpo não poder abraçar ninguém velar em uma hora não parece verdade a gente sente que ele vai voltar a qualquer momento é muito triste ficar sem ele ainda choro todos os dias ele era meu companheiro ficávamos o dia todo juntos ele era aposentado e eu estava trabalhando em casa mas tinha sido demitida então estávamos cheios de planos para ficarmos mais tempos juntos pois tbem ja sou aposentada e não queria mais trabalhar vivemos juntos 20 anos e fomos muito felizes ele era forte jogava bola caminhávamos todos os dias com a nossa cachorra é difícil aceitar e acreditar mas acho que Deus tem um propósito em tudo em nossa vida e foi necessário escolher alguém e ele foi escolhido e eu fiquei para cuidar da nossa filha e é por ela que me levanto todos os dias enxugo as lágrimas e tento seguir em frente mas não está sendo fácil a ausência dele dói muito sinto falta dele em tudo que faço ele era meu amor me companheiro minha alegria❤

  • RAQUEL FERREIRA CARDOZO SANTOS

    Olá tbm perdi meu amor em 2914,em um acidente de trabalho,até minha vida ficou cinza , adorávamos viajar ,comer fora ,praia hoje tudo não tem mais o mesmo brilho ,meus filhos tem suas famílias graças a Deus,fico só pensando como foi bom ter te conhecido te amado ,ter ficado com vc durante 33anos da minha vida eu com 16 anos apenas aprendi tudo com ele,hoje a vida perdeu um pouco da alegria ,pois ele fazia minha vida a mais feliz de todas as mulheres.

  • Katia Regina Silva Raposo

    Jaqueline…Meu pai tinha 80anos e faleceu de covid…Era uma pessoa brilhante…Nos enchia de alegria…Tinha 50 anos de casado…Estamos totalmente dilacerados…Meu nome é Regina Raposo…Moro em São Luís Ma.Meu zap é o (98 )999613774.

  • Olá a todos!
    Faz 10 meses e 22 dias que meu esposo, amigo, companheiro, colega de trabalho, minha força nos momentos mais difíceis e a alegria da nossa casa, partiu depois de 9 dias em uma UTI, após uma parada cardiorrespiratória .
    Desde de então sobrevivo e tento seguir, não durmo e não consigo comer direito, os dias são cinzas e o vazio e tristeza infinita tornaram – se parte da minha existência. Não há mais sonhos e nem projetos, pois tudo sempre era partilhado por nós dois. A ferida que carrego no meu coração sangra e dói dia após dia, noite após noite….
    Partiu com ele parte de mim e não sei até quando suporto a ausência e o vazio que ele deixou.
    Cheguei até este espaço buscando ajuda, pois a solidão que me acompanha é imensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • R. Barão de Paranapanema, n. 146, Bloco B, Sala 62, Bosque, Campinas - SP
  • (19) 99304-2682 ou (19) 3368-4710
  • contato@acolhecomamor.com.br
  • Horário Funcionamento: segunda, quarta e sexta das 08h às 12h.